Naine Terena fala sobre arte indígena nos dias atuais

26/02/2019
Naine Terena. Imagem retirada de www.seminariopoliticasculturais.wordpress.com 

Naine Terena atua nas áreas de cultura, comunicação e educação, promovendo as artes indígenas e não-indígenas e pesquisando o diálogo que existe entre elas. Nascida em Cuiabá, Mato Grosso, ela é graduada em comunicação social pela UFMT, fez mestrado em artes na UnB e doutorado em educação na PUC-SP. Conversamos com ela a respeito das relações entre as artes indígenas e a cultura brasileira de forma mais ampla. Veja a seguir:

 

O que te levou a trabalhar com arte, tanto na criação como na produção e divulgação?

Comecei a me envolver com artes antes da graduação. Tínhamos (eu e minha irmã) um grupo de teatro em Cuiabá, no bairro onde moramos. Era um grupo com crianças e jovens e contávamos com 'paitrocínio' e todos fazíamos vendas, rifas e outras ações para sustentar os trabalhos. Como sempre gostei de escrever, comecei a criar as peças que encenávamos. A formação superior deu um suporte maior para a compreensão da arte. Tive um insight sobre a expressão corporal e a encenação quando vi a dança do Kipaé (uma dança Terena), e propus uma pesquisa de mestrado que me mostrou muito além do que eu estava investigando. Foi a oportunidade de relatar algo sobre a constituição da minha própria identidade. Fui assessora da Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso. Estive e estou envolvida com muitos artistas. Alguns tornaram-se clientes, parceiros, organizadores de eventos conjuntos. Deixei um pouco minha produção de lado, porém ela acabou transmutando para as pesquisas acadêmicas (penso eu). De 2015 para cá que eu resolvi retomar este trajeto. Buscar coisas que fiz e que pretendo fazer. 

 

Como você sabe, somos uma coleção de bancos indígenas. Na cultura Terena existe alguma tradição de se fazer e usar este tipo de mobiliário? 

Vi algumas coisas mais recentes, com marceneiros mais contemporâneos. Temos tecelãs, ceramistas exímias... Mas os bancos nesse estilo estético, desconheço uma raiz mais antiga. 

 

A seu ver, qual é a influência da arte indígena nas artes moderna e contemporânea brasileiras?

Tem várias. O grafismo tem influenciado inclusive a moda. Instalações tem utilizado a presença de indígenas numa performance coletiva. Músicas fazem uma hibridação de sons indígenas e não indígenas. Grafites trazem personagens indígenas no centro de suas temáticas. Temos muitas inspirações. Conheci pessoalmente o Ernesto Neto e o trabalho com os indígenas do povo Pano. Um trabalho minucioso e que tem muita profundidade. 

 

Pode-se dizer que existe hoje um movimento de indígenas que estão se apropriando das linguagens e ferramentas da cultura ocidental para falarem por si e pelo seu povo, construindo as suas próprias narrativas. Você se vê parte deste processo?

Sim. Em todas as ciências temos um indígena adquirindo conhecimento. Um dia desses vi a notícia de um rapaz que graduou-se em enfermagem e usa processos de medicina indígena. Na comunicação temos bastante indígenas e grupos atuando. A Rádio Yandê é sempre uma boa referência, porque tem um alcance internacional. Eu faço parte desse grupo, de pessoas que estão todos os dias em busca de novos conhecimentos e em contato com o pessoal que está um pouco mais afastado, dialogando, ouvindo, falando... 


Conheça mais sobre o trabalho de Naine Terena aqui


Veja também:

Cacique Kotok Kamayurá visita a Coleção BEI

30/04/2019

Na última terça-feira a Coleção BEI recebeu uma visita especial. Durante a sua passag...

Leia mais

Arte indígena na contemporaneidade: roda de conversa no SESC Ipiranga

22/04/2019

Como parte da ampla programação das unidades do SESC dedicada ao Abril indígena, May...

Leia mais

Veja fotos da exposição no Museu de Arte Moderna de Saitama, Japão

18/04/2019

A exposição "Bancos dos Povos Indígenas Brasileiros", composta por aproximadamente 9...

Leia mais

Tags

  • Naine Terena
  • arte indígena
  • arte contemporânea

2019 BEĨ .:. Todos direitos reservados.





Create - Soluções Online