Bancos Indígenas Do Xingu estão no setor design da Sp-Arte 2019 até 7 de abril

02/04/2019

Peças esculpidas por artistas dos povos Kamayurá, Mehinaku e Waujá aliam tradição, arte e design

 

Os Bancos Indígenas do Xingu estarão expostos em um estande no setor design da SP-Arte 2019, que acontece entre 3 e 7 de Abril no Pavilhão da Bienal, em São Paulo.

Os assentos indígenas expandem o conceito de função para a dimensão simbólica. Assumem, conforme o contexto, o uso ritual ou cotidiano, além de funcionarem como um demarcador social — há bancos de uso exclusivo masculino, feminino ou de caciques e pessoas importantes. Os bancos possuem também uma dimensão cosmológica, sendo alguns deles usados por pajés como instrumento de transcendência ao mundo espiritual. Nas sociedades não-indígenas, essas peças se inserem como objetos de arte e design, abrindo novos horizontes de reflexão sobre as complexas inter-relações entre as artes tradicionais e a cultura contemporânea.

 

“Os bancos indígenas são repletos de arte brasileira. São os principais artefatos do povo Menhinaku e símbolo da arte indígena do Brasil.”, diz, Mayawari Menhinaku, um dos artistas com trabalhos à venda no estande.

 

Os bancos presentes na SP-Arte 2019 são parte de uma produção contemporânea que apresenta um diálogo entre elementos da tradição e a liberdade da criação autoral. Esculpidos sempre a partir de um único tronco de madeira, sem juntas ou emendas, assumem a forma de animais da fauna brasileira e de entidades míticas. São decorados com grafismos tradicionais, pinturas que se referem a animais, num universo de expressões visuais que muitas vezes se revela através de sonhos e transes. A diversidade e o repertório comum da arte do complexo cultural alto-xinguano, composto por nove etnias, aqui está representado pelos Kamayurá (da aldeia Morená), pelos Mehinaku (das aldeias Kaupuna e Utawana) e Waujá (da aldeia Piyulaga), cuja participação na SP-Arte se dá de forma independente e conta com o apoio da Coleção BEĨ e da SP-Arte. As peças em exposição serão comercializadas durante a feira.    

Veja também:

Série Madeiras: Muirapiranga, o falso-pau-brasil

03/12/2019

Vamos dar continuidade à série sobre madeiras falando sobre uma que parece, mas não ...

Leia mais

Maureen Bisilliat visita a Coleção BEI

19/11/2019

Na semana passada, a fotógrafa inglesa radicada no Brasil Maureen Bisilliat fez uma ...

Leia mais

Série Madeiras: Moreira

05/11/2019

A Coleção BEI, com o auxílio de institutos de pesquisa e de diversos artistas indíge...

Leia mais

Tags

  • sp-arte
  • bancos indígenas do xingu
  • coleção bei

2019 BEĨ .:. Todos direitos reservados.





Create - Soluções Online